CONGRESSO FIEP 2015

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

É campeão! Fanning cai, e Medina conquista o histórico título mundial.

Fenômeno brasileiro de 20 anos conta com vitória do compatriota Alejo Muniz sobre o australiano para comemorar o primeiro caneco de campeão mundial do surfe nacional
Após 38 anos de surfe profissional, o Brasil conheceu nesta sexta-feira o seu primeiro campeão mundial da elite do esporte, o WCT. Coube ao jovem Gabriel Medina, de apenas 20 anos, a glória de eternizar-se na história, na cultuada praia de Pipeline, no Havaí. Para assegurar a conquista do caneco mesmo sem estar na água, o paulista de São Sebastião, que havia se classificado às quartas de final com uma vitória emocionante, contou com a ajuda preciosa do argentino naturalizado brasileiro Alejo Muniz, que derrotou Mick Fanning por 6,53 a 2,44 na terceira bateria da quinta fase e foi às quartas de final, acabando com as chances de o australiano dono de três títulos mundiais ultrapassar os 60.000 pontos já garantidos do líder, Medina, na classificação do Circuito Mundial de Surfe, cuja 11ª e última etapa da temporada 2014 vai ser encerrada ainda nesta sexta. Terminar à frente de Mick ou chegar na final era tudo que Medina precisava para conquistar o histórico caneco na meca do surfe. 
- É fantástico. Eu não sei exatamente o que dizer. Eu quero agradecer Alejo por me ajudar. Eu amo essa torcida. Eu quero muito celebrar com todas essas pessoas, com meu pai e minha mãe. Eu sonhava com isso e agora virou realidade - afirmou Gabriel, que abandonou a bateria dele de quartas de final que faria contra o compatriota Filipe Toledo.
Ninguém foi mais competente e magistral do que Gabriel nesta temporada. Ele assombrou gigantes e lendas do esporte, ganhou toneladas de experiência, lidou com pressão, superou limites e venceu três importantes etapas (Gold Coast, Fiji e Teahupoo). Ainda aos 20 anos, aquele garoto travesso que apenas queria se divertir em Maresias, no litoral paulista, provou que pode sim ser considerado um fenômeno. Passou pelos últimos obstáculos no Havaí e escreveu o seu nome na história com o título inédito, igualando o recorde de Kelly Slater, que conquistou o primeiro de seus 11 canecos com a mesma idade do brasileiro. 
A bateria que poderia dar o título mundial a Gabriel Medina começou com o mar mexido e poucas ondas de alta qualidade. Número 29 do ranking mundial, Alejo Muniz se posicionou ao lado do vice-líder, Mick Fanning, para tentar dar o bote na hora certa e dropar uma boa onda. O tricampeão mundial saiu na frente com uma pequena nota 1,43 e o catarinense respondeu com um 1,03. Depois, nos outros primeiros 15 minutos de bateria, ambos não conseguiram encontrar boas ondas para aumentar os seus somatórios.
Na segunda metade de bateria, o marasmo do mar continuava atrapalhando os dois competidores. De um lado, Alejo lutava por ele, já que precisa de um grande resultado para continuar no WCT em 2015, e pela nação brasileira, que ele escolheu para defender. A vontade do argentino criado em Bombinhas (SC) prevaleceu e ele conseguiu surfar uma boa direita para Backdoor para tirar nota 5,50, somar 6,53 pontos e deixar Mick precisando de um 5,27 para virar a bateria e impedir que Medina fosse campeão mundial mesmo fora da água. Os minutos foram passando e nada de onda aparecer. Ótimo para Alejo, ótimo para Medina, ótimo para o Brasil! Acabou o tabu: um brasileiro é campeão mundial de surfe na elite do esporte.
BATERIAS DA TERCEIRA FASE
1.John John Florence (HAV) 16,33 x Adam Melling (AUS) 12,16
2. Owen Wright (AUS) 12,20 x Fred Patacchia (HAV) 11,17
3. Michel Bourez (TAH) 9,67 x Matt Wilkinson (AUS) 7,00
4. Josh Kerr (AUS) 10,50 x Jadson André (BRA) 7,87
5. Miguel Pupo (BRA) 5,17 x Filipe Toledo (BRA) 12,17
6. Gabriel Medina (BRA) 17,66 x Dusty Payne (HAV) 11,84
7. Kolohe Andino (EUA) 1,40 x Julian Wilson (AUS) 9,40
8. Bede Durbidge (AUS) 1,33 x Adrian Buchan (AUS) 11,53
9. Mick Fanning (AUS) 10,84 x Jeremy Flores (FRA) 7,67
10. Joel Parkinson (AUS) 6,76 x Sebastien Zietz (HAV) 8,93
11. Nat Young (EUA) 9,44 x Kai Otton (AUS) 10,67
12. Kelly Slater (EUA) 13,10 x Alejo Muniz (BRA) 15,50

BATERIAS DA QUARTA FASE
1. John John Florence (HAV) 6,74 x Owen Wright (AUS) 3,87 x Michel Bourez (TAH) 6,40
2. Josh Kerr (AUS) 4,97 x Filipe Toledo (BRA) 15,23 x Gabriel Medina (BRA)15,67
3. Julian Wilson (AUS) 6,43 x Adrian Buchan (AUS) 6,86 x Mick Fanning (AUS) 6,47
4. Sebastien Zietz (HAV) 4,54 x Kai Otton (AUS) 7,06 x Alejo Muniz (BRA) 6,43


BATERIAS DA QUINTA FASE
1. Filipe Toledo (BRA) 14,66 x Owen Wright (AUS) 3,8
2. Michel Bourez (TAH) 7,00 x Josh Kerr (AUS) 14,00
3. Mick Fanning (AUS) 2,44 x Alejo Muniz (BRA) 6,53
4. Sebastien Zietz (HAV) x Julian Wilson (AUS)

BATERIAS DE QUARTAS DE FINAL
1.Gabriel Medina (BRA) x Filipe Toledo (BRA)
2. John John Florence (HAV) x Josh Kerr (AUS)
3. Adrian Buchan (AUS) x Alejo Muniz (BRA)
4. Kai Otton (AUS)

Fonte: http://globoesporte.globo.com/radicais/surfe

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Projeto itinerante de Educação Física visita escolas em Belém.

Você já pensou em viajar o mundo todo, compartilhar conhecimentos e viver novas experiências? É assim que um grupo de 20 professores de Educação Física, entre argentinos e brasileiros, optaram por desempenhar seu papel de educador.
 Professoras sem fronteiras da FIEP Brasil - G2 
no “Liceu de Artes e Ofícios Mestre “Raimundo Cardoso”
  Professoras sem fronteiras da FIEP Brasil - G2 
no “Liceu de Artes e Ofícios Mestre “Raimundo Cardoso”
  Professoras sem fronteiras da FIEP Brasil - G2 
no “Liceu de Artes e Ofícios Mestre “Raimundo Cardoso”
  Professoras sem fronteiras da FIEP Brasil - G2 
no “Liceu de Artes e Ofícios Mestre “Raimundo Cardoso”
  Professoras sem fronteiras da FIEP Brasil - G2 
no “Liceu de Artes e Ofícios Mestre “Raimundo Cardoso”
  Professoras sem fronteiras da FIEP Brasil - G2 
no “Liceu de Artes e Ofícios Mestre “Raimundo Cardoso”
  Professoras sem fronteiras da FIEP Brasil - G2 
no “Liceu de Artes e Ofícios Mestre “Raimundo Cardoso”
 Com o intuito de melhorar cada vez mais a forma de aprendizagem nas escolas, o projeto itinerante da Federação Internacional de Educação Física (Fiep) criado em 2007 e denominado ''Professores de Educação Física sem Fronteiras'' viaja o mundo todo após passar pelo México, Bolívia, Venezuela, inicia agora com o apoio da Prefeitura de Belém, a primeira etapa de visitações ás escolas municipais.
Fomentar a troca de cultura e de saberes, através de seminários e palestras oferecidos gratuitamente aos alunos foi a maneira que o projeto encontrou para incentivar e diversificar a forma de aprendizagem na Escola Municipal Mestre Raimundo Cardoso, localizada no bairro do Paracuri, distrito de Icoaraci.
"Aqui na minha escola tenho oportunidade de aprender várias outras coisas: dança, música e cerâmica são alguns do cursos oferecidos pra nós. E hoje tive a oportunidade de mostrar um pouco do que já aprendi",  comentou a estudante Andreza Silva, de 12 anos.
Dança, apresentações musicais e teatral, fizeram parte da programação elaborada especialmente para receber os professores que fazem parte desse projeto na manhã desta terça-feira, 16.
"Trazer essa nova experiência para os alunos é muito interessante. Eles gostam de compartilhar tudo o que já puderam aprender aqui na escola. É uma soma de conhecimentos e isso é um trabalho de educação participativa. Dessa forma os alunos absorvem muito mais as informações que são repassadas'', comentou Janice Lima, diretora da escola. 
Para Rosa Maria Alves, professora de Educação Física, pós-graduada em Danças Folclóricas e coordenadora do projeto em Belém, essa troca de informações de forma direta com os alunos faz com que os mesmos aprendam com mais facilidade. "Os alunos nos ensinam muito também, trabalhar com essa troca de experiências e de informação é muito gratificante para nós professores'', avalia Rosa Alves.
O projeto conta também com nutricionistas, que trabalham em parceria direta com os professores, fazendo com  que a alimentação venha contribuir de forma direta no desempenho escolar de cada criança. "Nessa nossa viagem para Belém, o objetivo é colocar a nutrição como foco principal, e mostrar que uma alimentação saudável é primordial para que as crianças consigam aprender melhor'', comentou Sônia Maria Bordin, nutricionista e doutora em Treinamento Desportivo.
O projeto já passou por escolas de Mosqueiro e Ilha do Combú. A Fundação Escola Bosque, localizada na ilha de Outeiro, será a próxima a ser visitada, nesta quarta-feira, 17.
Texto: Milene Amaral
Foto: Milene Amaral e Ávile.
Coordenadoria de Comunicação Social (COMUS)
http://agenciabelem.com.br/Galeria/Details/53754

Alunos de escolas públicas realizam o II Auto de Natal da Inclusão.

“Este é um momento muito importante para nós. É uma grande festa de confraternização, é um grande passo”, disse emocionada a dona de casa Maria Iraci Oliveira, mãe da Aline Oliveira Pinheiro, 15, estudante com síndrome de Down, enquanto assistia ao II Auto de Natal da Inclusão.
O momento para mãe e filha representa um grande salto para a inclusão da aluna com deficiência no meio escolar e social. A estudante mostrou no palco que mesmo com limitações, todas as pessoas podem superar os seus desafios e fazer uma bela apresentação.
  II Auto de Natal da Inclusão.
  II Auto de Natal da Inclusão.
  II Auto de Natal da Inclusão.
  II Auto de Natal da Inclusão.
  II Auto de Natal da Inclusão.
Este foi o objetivo do espetáculo realizado nesta quarta-feira, 16, no Soprano Restô. A iniciativa foi do Centro de Referência em Inclusão Educacional Gabriel Lima Mendes (Crie), vinculado a Secretaria Municipal de Educação (Semec).
O espetáculo teatral reuniu 40 crianças com e sem deficiência, que subiram ao palco e encantaram a todos os expectadores. Este ano a apresentação abordou o tema consumismo, muitas vezes priorizado no período do Natal, e fez um alerta para a importância dos principais valores a serem compartilhados, como o amor e o respeito ao próximo.
Na plateia, cerca de 300 crianças, jovens, adultos e idosos assistiam a apresentação. Para Rosenilde Fernandes, no final de ano, o espetáculo é sempre muito esperado. “Todo ano tem novidade no Crie. Eu faço questão de trazer eles. É muito bom que eles tenham contato e aprendam a ter respeito com os colegas especiais”, disse a mãe do Renato Fernandes, aluno do 4º ano da Escola Municipal Ida de Oliveira.
O grupo que compôs a peça é denominado Trupe da Inclusão e integra o programa Artes Cênicas, Expressão e Inclusão, que ao longo do ano desenvolve várias ações. Entre elas estão o Crie Folia, Arrastão cultural e Auto do Círio.
Para a coordenadora do programa e realizadora da apresentação, Suzane Pereira, o teatro é apenas uma ferramenta para construir uma sociedade mais inclusiva e que já está gerando excelentes resultados.
“Nós usamos o teatro para acolher os alunos, para promover a socialização entre eles. E a gente já percebe importantes avanços. A criança com deficiência já supera as barreiras junto com os outros alunos, por exemplo. E isso é ótimo”, afirmou. Após o espetáculo, o papai Noel fez à entrega de brinquedos às crianças presentes que também receberam lanche. “Gostei muito, gostei de tudo e adorei o meu presente”, disse sorridente o aluno Carlos Henrique Souza, da escola Rotary. 
Texto: Aline Saavedra
Foto: Samdy Mendes/ Comus
Secretaria Municipal de Educação (SEMEC)

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Professores de Educação Física Sem Fronteiras da FIEP Brasil/G2

Professoras sem fronteiras da FIEP Brasil - G2, visitaram hoje (16) o Liceu Escola de Artes e Ofícios do Paracuri "Mestre Raimundo Cardoso", foram recebidas pela diretora da escola Profª Janice Lima e pela comunidade escolar. O grupo visitou o núcleo de oficinas Lais Aderne.
O 
O Liceu Escola de Artes e ofícios “Mestre Raimundo Cardoso” 
recebe os professores sem fronteiras da FIEP Brasil G2.
O Liceu Escola de Artes e ofícios “Mestre Raimundo Cardoso” 
recebe os professores sem fronteiras da FIEP Brasil G2.
O Liceu Escola de Artes e ofícios “Mestre Raimundo Cardoso” 
recebe os professores sem fronteiras da FIEP Brasil G2.
O Liceu Escola de Artes e ofícios “Mestre Raimundo Cardoso” 
recebe os professores sem fronteiras da FIEP Brasil G2.
O Liceu Escola de Artes e ofícios “Mestre Raimundo Cardoso” 
recebe os professores sem fronteiras da FIEP Brasil G2.
O Liceu Escola de Artes e ofícios “Mestre Raimundo Cardoso” 
recebe os professores sem fronteiras da FIEP Brasil G2.
O Liceu Escola de Artes e ofícios “Mestre Raimundo Cardoso” 
recebe os professores sem fronteiras da FIEP Brasil G2.
O Liceu Escola de Artes e ofícios “Mestre Raimundo Cardoso” 
recebe os professores sem fronteiras da FIEP Brasil G2.
O Liceu Escola de Artes e ofícios “Mestre Raimundo Cardoso” 
recebe os professores sem fronteiras da FIEP Brasil G2.
O Liceu Escola de Artes e ofícios “Mestre Raimundo Cardoso” 
recebe os professores sem fronteiras da FIEP Brasil G2.
O Liceu Escola de Artes e ofícios “Mestre Raimundo Cardoso” 
recebe os professores sem fronteiras da FIEP Brasil G2.
Fotos: Ávile.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades de recreação no natal da Escola Milton Monte.

No dia 15 de dezembro de 2014, na Escola Milton Monte, localizada na Costa da Ilha do Combu, região insular do município de Belém, as Professoras Rosinha Costa (Recreação Escolar), Leonor Palha Dias (Educação Física Escolar) e Sônia Bordin (Nutricionista) realizaram um dia de atividades recreativas com alunos e professores, com o objetivo de instruir à comunidade escolar a respeito da necessidade de manutenção de hábitos de alimentação saudável e práticas de atividade físicas regulares para uma melhor qualidade de vida.
O projeto Professores de Educação Sem Fronteiras priorizam seu trabalho em comunidades em situação de vulnerabilidade social exercendo atividades que contam com brincadeiras e músicas que trabalharam os movimentos corporais, o raciocínio lógico e a cooperação.

 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.

 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.
 Professores de Educação Física Sem Fronteiras realizam atividades 
de recreação no natal da Escola Milton Monte.

Colaboração: Professores Élison Coutinho e Flávia Machado.

Fotos: Ávile

Intercâmbio dos Professores de Educação Física sem Fronteiras da FIEP - Brasil/G2

Ilha do Combu
A ilha do Combu está em frente a Belém a uma distância de 1,5 km ao sul da cidade. Está à margem esquerda do rio Guamá. Sua população é formada por ribeirinhos. São aproximadamente 15 quilômetros quadrados. Seu solo sofre inundações em alguns períodos do ano.
Em 1997 a Ilha do Combu foi transformada em Área de Proteção Ambiental (APA), através da lei nº 6083, de 13 de novembro de 1997. A lei diz que, em respeito ao manejo, implantação e funcionamento, podem ser utilizados instrumentos legais para incentivos financeiros governamentais a fim de proteger o uso racional dos recursos naturais, impedir atividades causadoras de sensível degradação da qualidade de vida ambiental, principalmente derrubada de açaizeiro, para comércio do palmito.

Intercâmbio dos Professores de Educação Física sem Fronteiras da FIEP - Brasil/G2 na Ilha do Combu. 

 Intercâmbio dos Professores de Educação Física sem Fronteiras da FIEP - Brasil/G2 na Ilha do Combu.
 Intercâmbio dos Professores de Educação Física sem Fronteiras da FIEP - Brasil/G2 na Ilha do Combu.
 Intercâmbio dos Professores de Educação Física sem Fronteiras da FIEP - Brasil/G2 na Ilha do Combu.
 Intercâmbio dos Professores de Educação Física sem Fronteiras da FIEP - Brasil/G2 na Ilha do Combu.
 Intercâmbio dos Professores de Educação Física sem Fronteiras da FIEP - Brasil/G2 na Ilha do Combu.